Acho que na cozinha as coisas não dão errado…se transformam.
Na família da minha mãe temos uma tradição de fazer bala de coco, minha vó Cida, tias e tios sabem fazer, dar o ponto e bater a bala.

A palavra “coco” (o fruto do coqueiro) se escreve assim, sem acento, pois não se acentuam as paroxítonas terminadas em “o”, como toco, lobo, fogo, soco, jogo, coro, bolo, tolo e bobo.
http://www.portuguesnarede.com/2007/11/cco-ou-coco.html

Passei minha infância esperando os aniversários para poder ajudar a cortar as tiras de bala ainda mornas. Hummmm…que lembrança boa!
Certa vez meu Tio Levi tentou fazer a tal receita da bala de coco na casa da minha mãe, porque pedi, estava com saudade dos tempos de infância…
Mas algo não saiu como deveria e a bala ao ser colocada no mármore, açucarou, e virou uma pedra.
Demos a receita como perdida…quando chega minha vó Cida…
Contei o ocorrido, ela pediu que colocasse os pedaços de bala totalmente endurecidos em uma panela e acrescentasse uma xícara de leite e me fez mexer até dá o ponto de corte.
Novamente colocamos no mármore para esfriar e aí sim, se transformou no melhor DOCE DE LEITE DE COCO que já provei…acho que o único tbm…